Fortaleza - CE | 24 de Janeiro de 2016 |


Nenhuma novidade, na verdade.

Inúmeros são os casos de pessoas que chegam dia após dia no Restaurante Universitário - RU para fazerem suas refeições e, ao invés da comida indicada no cardápio, após filas lidam a falta de alimentos e, por vezes, não conseguem efetuar as refeições esperadas. 

Para além da restrição de um cardápio não-diferenciado - sempre soja para vegetarianas/os, sempre carne de gado ou frango, sempre o mesmo suco de abacaxi no dia da feijoada... as vezes tem um chocolate na páscoa e no dia do estudante. Ahh, não esqueçamos do Peru de Natal! - é importante pontuarmos que, apesar de um espaço pensado estrategicamente a fim de garantir o direito social à alimentação aos componentes de nossa comunidade acadêmica, muitas/os estudantes deparam-se constantemente com a falta de comida que se instala em nossos restaurantes, como apontam o estudante Max Rodrigues (Ciências Sociais) e a discente Kathlyn Freitas (Biologia).  

Sexta (22), no RU do Benfica, o jantar - que funciona até às 19h30 - às 19h oferecia apenas farofa, almôndegas, um pouquinho de batatas e, se pedir, podia rolar um doce. Muitas/os foram as/os estudantes que optaram por comer a refeição limitada e insuficiente por não possuírem outras alternativas alimentares, como constatam quatro estudantes de comunicação que presenciaram o momento (Leo de Carvalho, Lia Mota, Daniel Macêdo e Nerice Esteves). Em manifesto e diante da condição precária que se instaura na Assistência Estudantil, estudantes optaram por não pagar nada frente à alimentação que (não) recebiam. Afinal, como pagar o preço de compor um prato com almôndegas de carne, omelete de frango ou panqueca verde; Farofa como guarnição e batata doce como salada; acompanhamento de arroz à grega, arroz integral e feijão carioca; suco de caju, melão japonês e doce e, na real, contar com a guarnição e uma proteína (em pouca quantidade)  e um cadinho de batata doce? 

Como vitória da última Greve de Estudantes, conquistamos abertura do Café da Manhã no RU para todas/os as/os estudantes - ainda não atendida efetivamente pelo Reitor, apesar de acordado para início das atividades nos primeiros momentos de 2016. Para além, as unidades precisam suprir a quantidade de refeições demandadas pelo corpo discente, que, não atendidas, revelam a atual condição de descaso da Universidade com uma política de permanência de estudantes. Queremos uma expansão do RU com qualidade e acesso para todas/os!

Se o cardápio é uma marimba, nós não vamos pagar nada para comer no RU!
Nós, estudantes, reivindicamos RU gratuito e efetivo em seus serviços e com infraestrutura capaz de atender as demandas apontadas por usuários! Por uma Política de Assistencia Estudantil em que todas/os possam comer e que garanta comida até o fim do expediente - não apenas para os primeiros da fila!


Por um Restaurante Universitário de qualidade,

NÓS NÃO VAMOS PAGAR NADA!


ASSINAM ESSA NOTA
Diretório Acadêmico Tristão de Athayde de Comunicação Social - DATA UFC
Centro Acadêmico Paulo Freire de Pedagogia - CAPF UFC
Centro Acadêmico Frei Tito de Alencar de História - CAFTA UFC
Centro Acadêmico XII de Maio de Medicina - CAXIIM UFC
Centro Acadêmico Ramiz Galvão de Biblioteconomia - CABIRG UFC
Risoflora - Chapa Única - do Centro Acadêmico Batista Neto de Ciências Sociais  - UFC

(Re)Existir- Chapa Única - do Centro Acadêmico de Psicologia - UFC

Executiva Nacional de Estudantes de Comunicação Social - ENECOS
Tal Coletivo de Comunicação Social 
RUA_Juventude Anticapitalista

Leave a Reply