Fortaleza - CE | 06 de Novembro de 2015 |


O Coletivo Feminista da Comunicação Social, organizado durante a greve da Universidade Federal do Ceará para reforçar as lutas feministas dentro dos cursos de comunicação de Fortaleza, vem por meio desta representar o seu repúdio para com as atitudes de um estudante do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará. O aluno do 6º semestre vem agindo de forma machista e misógina não só nas redes sociais, mas também em espaços do ambiente universitário como calouradas, saraus, entre outros. Os relatos ultrapassam a possibilidade de catalogação: desde a primeira denúncia, várias outras se somaram em progressão geométrica, com provas e testemunhas de suas atitudes.
Chegou ao conhecimento de diversas alunas do curso printscreens do dito estudante assediando mulheres nas redes sociais: este adicionava garotas de um grupo aleatoriamente e as enchia de comentários no mínimo desconfortáveis e desnecessários. As mensagens? “Pensando aqui em como seus seios devem ser lindos. Me manda uma foto. Eu mando uma foto da minha p*r*c* se tu quiser”. Ou: “Vamos trocar uns nudes de leve” e, ao que a garota responde “não to afim”, ele insiste: “você não vai se arrepender, eu te garanto”. Ela continua negando e ainda assim ele não desiste com um “posso te mandar uma foto do meu p** sem compromisso, então?”. Para por aí? Não.
De mensagens via inbox com pedidos impróprios e intimidade abusiva até a aproximação de forma incisiva de meninas em estado de vulnerabilidade devido ao álcool, os relatos são extensos e apenas se somam. E todos, também, se tornam piores e piores a cada passar de tempo e nova história agregada. Vários são os casos de alunas - e amigas e amigos - que testemunharam o mesmo agindo quase em método de perseguição dentro do campus da Universidade e depois chegando às suas redes sociais de forma incisiva e insistente.
Os printscreens com esses relatos de inbox e mensagens insistentes foram soltos em certo grupo do Facebook expondo o referido estudante, que começou a receber mensagens deplorando a sua atitude. A reação do acusado? Tirar sarro e fazer ironias com a situação de abuso e constrangimento misógino que ele, enquanto machista abusador, força para cima das meninas que persegue. “Fizeram um B.O. contra mim, acho que vou precisar de um advogado”. Em anexo, um B.O. fake (não produzido por ele, mas por outro: o que só prova que ele não é o único e tem apoiadores e misóginos ao seu lado) em que tira sarro com a situação de tentar abusar e forçar uma relação sexual com uma “novinha do facebook”. O referido claramente não tem abertura para diálogo, muito menos para o entendimento dos traumas de sua atitude nojenta enquanto macho abusador para com a integridade de mulheres.
É de consciência da maioria que o espaço da Universidade é palco de muitas opressões às mulheres, desde professores proferindo assédios verbais na sala de aula até estudantes abusando de jovens em estado vulnerável em festas e afins. Também é de conhecimento que a ouvidoria se torna conivente com este tipo de ação, uma vez que não faz nada diante das denúncias. Pelo menos até o momento, nenhuma denúncia do tipo nunca foi levada a sério ou solucionada de forma eficaz por este instrumento de denúncia da Universidade. Estas opressões fomentam ainda mais as agressões, traumas, violências psicológicas e física e contribuem com o feminicídio que destrói a vida de milhares de mulheres no Brasil, um país líder na morte destas em crimes de violência de gênero.
Esse tipo de atitude dentro da Universidade e por pessoas ligadas à Universidade perpetua o sistema patriarcal misógino e assassino que rege essa sociedade machista há séculos. Esse tipo de atitude NÃO SERÁ TOLERADA. Machistas, misóginos, abusadores e feminicidas NÃO PASSARÃO!
Ele é o único a ter essa atitude dentro da Comunicação da UFC? De longe, não. Mas é o primeiro a apresentar reais denúncias que podem ser provadas e apresentadas de forma clara para que a sociedade entenda a situação. O primeiro de muitos que serão repudiados, contra-atacados e rachados por sua atitude asquerosa para com mulheres.
“SE CUIDA, SE CUIDA, SE CUIDA SEU MACHISTA! A COMUNICAÇÃO VAI SER TODA FEMINISTA!”
Com asco,
Coletivo Feminista da Comunicação Social - UFC
*****
Assinam esta nota:
Coletivo Feminista da Comunicação - UFC
Diretório Acadêmico Tristão de Athayde - Gestão Nós Passarinhos
Tal Coletivo de Comunicação
Expressão
Liga Experimental de Comunicação
Mulheres do movimento RUA - Juventude Anticapitalista
Executiva Nacional de Estudantes de Comunicação Social - ENECOS
Coletivo de Mulheres da ENECOS
Coletivo Feminista Lilas
Coletivo Ciclanas - Mulheres de bicicleta no trânsito Fortaleza

Leave a Reply